6 oportunidades que os brasileiros perdem por não aprender inglês

toefl e ielts: 7 dicas para passar nos testes de proficiência
20 de agosto de 2018

6 oportunidades que os brasileiros perdem por não aprender inglês

SSUCv3H4sIAAAAAAAEAI1WTY/jKBC9rzT/IfK5LRmDP5hfMbc9rPZQBuKgYBMZ3D1Rq//7lpN42qYy23NKKD8eVa+Kot6//XU4ZB0Eq7Lvh/dlhWvr3BziBNH6Ec3Fy8NutI1+suAW42L7uH3JQoQ4BxM2FKzk0xHXfN0LDoYrGthq6Gwfolfny8lHv0UqGJ9/0JOBIUQ7mK3VhMt2ecRNzsLWdPGjrraGcJpjNNPtlMW+CUVBND3GuAtm1eef+/qwfni4G/FTlr1sbGHubrbV9PHyPzt/GH9x5tn+v/1gxk+S+59/fynam1Etkr5/bAKYjDNwz8XD3awCLTpe8lybY50LECIH3XX5UQhZt63UplPr8RmrGJMSIK9b6HJRtDoH0ZR5W4FiTcu0ruDm0t2P7PyGSg5btd78AONWrUzWVVtkift21N5PYQesi0oSIIZp7rV4+LlDMyZKwcsm3RDOWMApsWBVijODX1j3yLbggiBBzy7uCZuyIgdr82qcv2DSEnBRcsIZZqVMoG4S1qMxzo59gmS1oIEPMCUn14IKqk0/GbPDYWJ5TejirNNQWMGLRqbIzsAc7XF2yeGoJZFy6CxVHRUqyflWYyXvYKLimPIUp7AvRPtq4zXlLEjsRs9q7Ws73aX4vIG/iTJCOCdiMF62NF8DOJNeAEoHnXXU56VOPx2RsqT5gxBsP9IqY21BNOxB92aPa3hVt4w9y/b1a8LLvVvtnS6KrXo14w1RBSI+KArTtN/LuGhkmYKvfh57ct8Ip4Iwg0v4WlEToB8Tj7EfcVLEE9jl5ZmGtOKbJ7Vg1Gn0zvdp/ipGosGGPGELS++GeOImXvTEUyZLttEWk8daTnyfTMBD1Cl1piCXxY7ROGeXt8N83SrmERM2BVKmZdGS7gPuj2RW3jnTm6/5Tn5ImlRTClKPb346XxykwRRMktCdPaaoqiDZMj9hSFCSdu+FK8QruQlPCPFVsMS9on5eJjat+2d1cqThNtTFYU6mlqzBjvhLwOXnMTO8Yqf1t0HivoZZW7950V+9gtuDup2ULpNVd2/XbT6eblW+rhUOkX7YGEYfb4PJY1jKNA5by5JxhooIrJa6bGopZZOtgyVOaFaHDYfVy45jLUolqy6XlcYppanLvBOsy9HGVYUTTa0X1T7+A1c29qLgCgAA

A importância do inglês é inegável. Afinal, ele é o idioma mais falado do mundo e consta como a língua oficial de mais de 50 países. Diante disso, aprender inglês tornou-se a chave mestra, tanto para abrir portas no exterior quanto para ocupar espaços relevantes no mercado profissional nacional.

Contudo, apesar de ser tão importante, uma pesquisa realizada pela Catho mostra que apenas 3% da população brasileira fala inglês com fluência. O desconhecimento da língua faz que o brasileiro perca diversas oportunidades: de conseguir um trabalho com salário mais alto até vivenciar a fundo a cultura de outro país durante uma viagem.

Quer saber mais sobre o valor do domínio desse idioma? Confira, a seguir, o que se deixa de conquistar por não falar inglês!

1. Assumir cargos de gestão em empresas de grande porte

O inglês é a língua universal do mercado de trabalho. Várias multinacionais o adotam como idioma principal e isso influencia diferentes áreas, como vendas, marketing, tecnologia e outras. Assim, ser fluente na língua inglesa conta como diferencial para ser contratado por uma dessas corporações e, eventualmente, assumir cargos de gestão.

Sem o conhecimento do idioma, o profissional não pode viajar para representar a empresa no exterior, por exemplo. Afinal, ele não vai conseguir conversar com clientes estrangeiros que não falem português, bem como não estará apto a fazer cursos de aperfeiçoamento nem a assistir a palestras que não tenham tradução simultânea.

Ainda de acordo com o estudo da Catho, os profissionais que atuam nos setores de gerência empresarial e falam inglês podem ganhar até 56% a mais do que aqueles que não têm essa competência.

2. Obter bolsas de estudos no exterior

Um diploma internacional obtido em uma universidade reconhecida em todo o mundo, como é o caso de Harvard, faz toda a diferença para quem busca conquistar o emprego dos sonhos. Porém, para ter a chance de estudar em uma instituição como essa (especialmente por meio de bolsas de estudos), é necessário aprender inglês e tornar-se fluente na língua.

A partir da familiaridade com o idioma, é possível ter acesso a artigos acadêmicos e livros em inglês que ajudam o interessado a estar bem preparado para concorrer às oportunidades oferecidas por instituições estrangeiras. Uma vez aprovado, o candidato também vai precisar falar inglês para fazer os procedimentos de matrícula.

3. Fazer intercâmbio acadêmico

Que tal estudar parte do seu curso de graduação no exterior e ter a chance de aprender sua futura profissão por um viés sociocultural diferente? Essa é mais uma oportunidade que os estudantes brasileiros perdem quando não falam inglês fluentemente.

Quando o candidato tem a possibilidade de estudar fora, pode entrar em contato com a profissão que escolheu a partir de visões, práticas e métodos diferentes daqueles utilizados no Brasil. Em alguns casos, isso inclui até tecnologias mais avançadas e revolucionárias.

Com o intercâmbio acadêmico, ele pode expandir o conhecimento teórico e até dar início a uma carreira internacional. Isso porque ele pode fazer um estágio no exterior e, assim, ampliar a rede de contatos profissionais na sua área. Esses colegas podem, no futuro, contribuir com ideias ou mesmo fazer indicações para o mercado de trabalho

4. Viajar e conhecer o mundo

Mesmo que isso faça parte das realizações pessoais mais comuns, ainda há quem evite viajar para países que falam inglês. O motivo é o medo de não conseguir se comunicar corretamente. Afinal, boa parte da experiência de viagem está relacionada a conversação e interação com indivíduos de outras culturas.

Dessa forma, quando não se fala, pelo menos, o idioma universal, o aproveitamento dos passeios acaba reduzido. A falta de conhecimento da língua inglesa pode fazer que o viajante fique dependente de guias de turismo que falem português para conhecer museus e pontos históricos no país visitado.

Em outras situações, o visitante depende totalmente de um acompanhante que fale inglês. Nesse cenário, até fazer um pedido em um restaurante ou resolver qualquer dificuldade pode se tornar embaraçoso.

5. Consumir conteúdos originais

Até mesmo em casa, nos momento de lazer, o inglês pode ser necessário. Um bom exemplo são as séries e os filmes estrangeiros: embora a dublagem e a legendagem facilitem o consumo por quem não é fluente no idioma, elas fazem esses conteúdos perderem parte de sua originalidade, pois a tradução nem sempre é fiel ao original. Assim, perde-se a intensidade das interpretações dos atores.

Ao estudar, falar e compreender o inglês, é possível se libertar de dublagens, legendas e traduções. Isso permite consumir conteúdos inteiramente originais e, assim,  acostumar-se a gírias e expressões específicas que aparecem em filmes, jornais e livros estrangeiros. Essa habilidade contribui para aumentar o conhecimento intelectual e o contato com outras visões de mundo.

6. Negociar com pessoas que não falam português

Quando se planeja uma viagem para o exterior — seja para estudar, seja para passear —, é preciso falar com hotéis, proprietários de imóveis ou famílias que oferecem o serviço de homestay para hospedar intercambistas. Tudo isso exige negociações, que envolvem esclarecimento de dúvidas, acerto do pagamento e demais condições em que o acordo é feito.

Se o inglês estiver na ponta língua, o processo é muito mais fácil, já que, quando se entende tudo o que o interlocutor fala, podem-se negociar os pontos que não estejam completamente satisfatórios. Além disso, evita-se cair em ciladas, como, por exemplo, pagar mais caro para ter um serviço que não vai utilizar.

De forma geral, a língua inglesa está cada vez mais presente nas vidas de todos. E mais: já há algum tempo ela se tornou obrigatória para quem busca um emprego com remuneração mais alta ou tem pretensões de conhecer novas culturas.

Por isso, é importante aprender inglês desde os primeiros anos de vida. No entanto, se isso não foi possível na sua infância, nunca é tarde para começar. Afinal, com a escola e o curso certos, é possível dominar o idioma e nunca mais perder boas oportunidades.

Gostou deste post? Então, siga nossas páginas nas redes sociais para acompanhar outros conteúdos exclusivos! Estamos no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *